Profissão em questão


Profissão em questão. Afinal, todo mundo já ouviu que a vida é feita de escolhas.

Provavelmente, nas vésperas do vestibular, essa afirmativa se mostra ainda mais evidente. Nessa época, fazemos a opção pela profissão que, em princípio, deveríamos exercer pelo resto da vida. Afinal, quase sempre é ela que nos propicia meios para realizar diversos sonhos e dar asas a tantos outros. Portanto, além da calma, a orientação profissional também vai muito bem nessa hora.

Para dimensionar a questão, uma pesquisa realizada pela USP em 1998 constatou que 70% dos universitários mudam sua opção profissional até o segundo ano da faculdade.

Para Sílvio Bock, pedagogo e orientador profissional do Nace “Uma orientação é muito importante e todos deveriam ter. A sua função é fazer a pessoa refletir sobre tudo o que viveu e sobre o que pretende viver, para assim se direcionar profissionalmente”, comenta ele. O pedagogo também explica que essa orientação é importante porque a maioria das pessoas escolhe a profissão por associação de imagem.

Ou seja, quando pensamos em ser arquitetos, é Oscar Niemeyer que nos vem à cabeça. “Mas isso é um ponto de partida para a escolha da carreira, porque é um motivo frágil. Quem entrar na profissão pensando apenas nisso, sem ter a real dimensão, acaba largando a faculdade na metade”, afirma Sílvio Bock.

 

Então, o que deve ser levado em consideração nesse momento tão crucial da vida? Para começar, o autoconhecimento é apontado pelos especialistas como um fator chave; a busca por informações sobre a profissão que se pretende exercer também é fundamental; ter um panorama da economia e da política do país, para saber a quantas anda o mercado de trabalho e, por fim, ou melhor, para início de conversa: ter projetos.

O professor Artemio Longhi indica que a orientação profissional seja feita antes de se entrar na faculdade. Caso isso não tenha acontecido, vale a pena fazer, mesmo cursando a faculdade, para pedir a transferência certa. Agora, se você se formou e ainda assim não está satisfeito, faça o quanto antes. “Mudar uma escolha que não está satisfazendo a pessoa é válido até mesmo para evitar doenças”, conclui o professor.

 

Fonte: www.vix.com